25 de set de 2014

Custos em Empresas de Serviços - Parte 3

+A -A +/-
custos empresas de serviços
Esta é a terceira postagem de um total de 4 onde apresentaremos, através de um estudo de caso, algumas dicas práticas de como calcular os custos de serviços de uma empresa (fictícia) do ramo de hotelaria. 

Nesta terceira parte veremos em detalhes como alocar os custos às atividades (...)



Etapa 3: - Alocação dos custos às atividades


Antes de partirmos finalmente para a alocação dos custos, relembremos duas informações importantes:

(1) Um gasto só pode ser reconhecido como custo quando o recurso for utilizado, ou melhor, consumido. Um produto em estoque, por exemplo, não pode ser considerado um custo se ele ainda não fora utilizado. 
(2) Um gasto deve ser incluído na apuração do período em que ele ocorrer, independentemente do seu pagamento.

Veja na figura 1 (abaixo) a relação dos gastos do Hotel Qualquerum referente a dezembro/xx.


Para facilitar o entendimento, dividiremos os recursos em dois grupos: os que podem ser controlados por estoque (alimentos, bebidas, mat. de expediente, mat. de limpeza e uniformes) e os que não podem ser controlados por estoque (água, energia elétrica, telefone, gás, etc.).

Rateio dos recursos controláveis por estoque – o responsável pelo almoxarifado, através de controles específicos, é encarregado de fornecer os valores (estoque contábil) relacionados ao consumo destes itens de estoque. Os produtos controláveis por estoque geralmente têm uma relação direta com os seus objetos de custos, por isso, o seu rateio já pode ser feito no momento que lhe é dada a baixa (saída) no estoque.

O almoxarife do Hotel Qualquerum apresentou o seguinte relatório analítico do estoque (contábil) do mês de dezembro/xx (figura 2 abaixo):

Custos Empresas de Serviços


No momento do registro da saída de determinado item do estoque, já se deve informar onde será utilizado (setor e, principalmente, a atividade). Um bom controle de requisições é fundamental para um controle de estoque eficiente.

Rateio dos recursos não controláveis por estoque – O processo de rateio dos recursos não controláveis por estoque é feito de forma indireta, e como tal, carrega certo de grau de subjetividade.

     a) Rateio dos gastos com água, energia elétrica e gás - O direcionador de custo utilizado será o “consumo estimado” conforme vimos na postagem anterior, no tópico - Identificação dos direcionadores de custos.
.

Custos Empresas de Serviços

     b) Rateio dos gastos com telefone - O direcionador de custo utilizado será o “chamadas por ramal”. As ligações telefônicas realizadas pelos hóspedes serão alocadas como custo. O restante das ligações (escritório, recepção, etc.), portanto, será alocado como despesa. O hotel utiliza um tarifador de chamadas telefônicas e através dele é feito todo o controle de ligações. Confira o relatório resumido na fig. 4 abaixo.

Custos Empresas de Serviços

     c) Rateio dos gastos com mão-de-obra e prolabore - Primeiramente, precisamos fazer a separação entre custo e despesa (figura 5), e depois, o rateio dos custos com mão-de-obra às atividades (figura 6). O direcionador de custo utilizado será o “tempo” (estimado) de trabalho gasto pelo funcionário.


Custos Empresas de Serviços


Importante! O critério de alocação de custos utilizado, isso para todos os tipos de gastos (mão-de-obra, energia, telefone, etc), está relacionado ao grau de envolvimento destes gastos com os objetos de custos definidos. 

Custos Empresas de Serviços

     d) Rateio dos gastos com seguro patrimonial - O direcionador de recurso utilizado será a “área”. Com as medidas de cada espaço do hotel foi possível saber quanto cada área representa da medida total do hotel. Veja a figura 7, abaixo.

Custos Empresas de Serviços
  
Com os dados mostrados na figura 7 acima, já é possível fazer a alocação dos gastos com seguro patrimonial. Para isto, basta relacionar cada “espaço” com a sua atividade específica e fazer o rateio com base nos percentuais encontrados. Para facilitar, eu juntei alguns “espaços” afins (ex. Restaurante/Cozinha). Confira na figura 8.

Custos Empresas de Serviços


E para finalizarmos esta etapa, segue (fig. 9) a planilha que mostra quanto de recursos cada atividade consumiu.

Planilha Custos Empresas Serviços


Na parte 4 (e última!), veremos mais dicas de como calcular os custos em uma empresa de serviços. Aprenderemos como alocar os custos das atividades aos objetos de custos. Não deixe de acompanhar!

João N

Clique aqui para acompanhar o nosso blog
(o que é acompanhar um blog?)

<< Parte 2 - Como identificar as atividades, objetos de custos e direcionadores

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Leia também...